Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação da Universidade Luterana do Brasil


 Apresentação
 Conceitos Fundamentais
 História da Mineralogia
 Sistemática dos Minerais
 Coleção de Minerais
 Bibliografia Mineralógica
 Mineralogia na ULBRA
 Página do Colecionador
 Agradecimentos




LABORATÓRIO DE GEOLOGIA E MINERALOGIA

· CURSO DE QUÍMICA ·









Página do Colecionador


"Zé da Mina" - o coletor de minerais

Uma das atividades mais interessantes existentes é a arte de colecionar minerais. Segundo um dos mais importantes mineralogistas norte-americanos, Frederick H. Pough, entre as ciências básicas somente a mineralogia é um passa-tempo educacional, pois combina os conhecimentos da Química, da Física e da Matemática. Podemos acrecentar também, fruto dessa atividade, a Geografia e o Turismo, pois ao coletar minerais para nossas coleções, invariavelmente, podemos nos deslocar aos mais remotos e longínquos locais do planeta, além de nos orientarmos através de mapas geográficos, relacionando assim, as localidades onde os minerais são encontrados.

Por que colecionar minerais?

Colecionar objetos é inerente à natureza humana. Quando crianças, colecionamos figurinhas, adesivos, chaveiros, entre outros objetos. Já quando adultos preferimos objetos mais valiosos como relógios, objetos de arte, moedas e selos. Dentre estas atividades, colecionar minerais se reveste em uma das mais gratificantes formas de coleções. Suas cores, formas e diversidade nos encantam. Tal atividade é bastante desenvolvida em países como os Estados Unidos da América, Itália, Japão, Alemanha e Rússia. Entre nós são poucos ainda os que se interessam por colecionar minerais, mas existem boas razões para se iniciar uma coleção. A primeira delas é a facilidade relativa de se conseguir uma grande quantidade de espécies, pois são substâncias que ocorrem livremente na natureza. Outro aspecto interessante é a possibilidade de se conseguir materiais formados fora de nosso planeta, como amostras derivadas de meteoritos e, até mesmo da Lua e de Marte, além de se conseguir objetos formados a bilhões ou milhões de anos. É também uma oportunidade de se manter contato constante com a Física, a Química, a Matemática e a Geografia, coisa que nenhum outro campo do conhecimento proporciona simultaneamente.

Como colecionar minerais?

Uma coleção sistemática de minerais abrange todas as formas e tipos de substâncias possíveis. São coleções que precisam de amplo espaço, cuidados de especialistas e são sempre de custo muito elevado, estando na maioria das vezes vinculadas à instituições de ensino e pesquisa e, companias mineradoras. Já coleções específicas são aquelas iniciadas por particulares e podem abranger todas as classes mineralógicas, como também se restringirem à grupos específicos de minerais.

As amostras, tanto numa modalidade quanto na outra, podem variar desde peças avantajadas (maiores que 3 m de diâmetro) a amostras-de-mão, chegando até "micromounts", que são amostras diminutas, geralmente de minerais muito raros.

Os locais ideais para coletas de minerais são pedreiras abandonadas, minerações em atividade e rejeitos de mineradoras.

Nas catalogações de uma coleção de minerais são imprescindíveis as seguintes informações: nome da espécie, composição química, classe mineralógica, sistema cristalino e origem da procedência.

Para saber mais!

NEVES, P. C. P. das; BRANCO, P. M.; MATIOLI, P. A., The Pércio de Moraes Branco collection of rare minerals of the Universidade Luterana do Brasil (ULBRA). South Braz. Journal of Chemistry, Huntington Beach, v. 5, n. 5, p. 51-66, 1997.


COLETA DE MINERAIS PARA COLEÇÕES



A coleta de minerais é uma atividade muito agradável que pode
iniciar com uma excurção científica para estudos ou com um
grupo de amigos particulares, em áreas pre-estabelecidas.



Esses locais são geralmente regiões geológicas bem estudadas,
com afloramentos expostos, falhamentos geológicos, minas
abandonadas e/ou em atividade, a céu aberto ou subterrâneas.



Os falhamentos geológicos são excelentes locais para coleta de
minerais, pois muitas dessas substâncias costumam cristalizar ao
longo dos mesmos.



As coletas de minerais também são feitas em campo ao longo dos
alinhamentos tectônicos (zonas demarcadoras dos grandes falhamentos
geológicos). Detalhe de coleta ao longo do Escudo Sul-rio-grandense,
na região de Santana da Boa Vista, RS, Brasil.



A atividade de coleta de minerais também nos propicia a observação
de paisagens fantásticas, como as da Formação Guaritas,
Escudo Sul-rio-grandense, Caçapava do Sul, RS, Brasil.



As minas a céu aberto são excelentes pontos de coleta.
Acima bancadas da mina de cobre da CBC, Minas do Camaquã,
Caçapava do Sul, RS, Brasil, quando em atividade (bancadas da mina Uruguai).



Outros locais favoráveis à coleta de minerais são os rejeitos das
mineradoras, onde deve se dar atenção especial aos minerais
supergênicos. Em primeiro plano rejeito da mina de cobre da CBC,
Minas do Camaquã, Caçapava do Sul, RS, Brasil, quando em atividade;
em segundo plano porção superior das bancadas da mina a céu aberto.



Detalhe de uma mina de caolim na Escudo Sul-rio-grandense,
Pantano Grande, RS, Brasil.



Também as minas subterrâneas fornecem excepcionais amostras
para colecionadores, tanto em suas paredes, como principalmente nos
planos de falha. Detalhe da mina de carvão já extinta, na Bacia do
Paraná, da Compania Metropolitana, Criciúma, SC, Brasil.



Detalhe das galerias da mina de carvão já extinta, na Bacia do Paraná,
da Compania Metropolitana, Criciúma, SC, Brasil.



Cristais de ametista coletados no interior de uma mina em
Ametista do Sul, RS, Brasil.

 

       Laboratório de Geologia e Mineralogia
Av. Farroupilha, 8001, Prédio 1, Salas 125 / 127 · Bairro São José · Canoas/RS · Fone 51 3477.4000 ramal 9163 · E-mail labminq@ulbra.tche.br